Brasil precisa redesenhar matriz da educação

Senai Sesi Cascavel 19.02.08 - Automolistica

Brasil precisa redesenhar matriz da educação para estimular competitividade da indústria. Ideia foi defendida durante debate sobre a produtividade no mercado de trabalho e a importância da educação, em fórum promovido pela revista Exame. “O Pronatec é um motor de mudança do quadro atual” – Rafael Lucchesi.

O passo decisivo para a educação no Brasil virar um fator chave de aumento da produtividade do trabalhador é a mudança da matriz educacional do país. A afirmação foi feita nesta segunda-feira (30) pelo diretor de Educação e Tecnologia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Rafael Lucchesi, durante o debate “Produtividade no mercado de trabalho – a importância da educação”, no Exame Fórum 2013, realizado pela revista Exame, da Editora Abril, em São Paulo.

“É necessário se conscientizar de que a indústria brasileira se modernizou e isso tem reflexos sobre o modelo de educação. O eletricista hoje não apenas opera com fios, ele tem de acompanhar processos, tem de operar sistemas complexos, máquinas computadorizadas. Por isso a nossa grande agenda é redesenhar a matriz da educação no Brasil”, avaliou. Lucchesi complementou que o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) do governo federal, cujo principal parceiro é o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), é um “motor de mudança do quadro atual”. Segundo dados do SENAI, a estrutura educacional do chão de fábrica no Brasil hoje compõe-se de 53% de trabalhadores que possuem cursos de até 200 horas, 23% que têm cursos de 300 horas a 450 horas e 18% de operários que fizeram cursos de 800 horas a 2 mil horas.

Só 5% dos trabalhadores que formam o chão de fábrica são engenheiros. “Então, está claro que sim, precisamos de mais engenheiros, mas que também precisamos, e muito, de profissionais de nível técnico muito qualificados”, ressaltou Lucchesi. Por conta dessa demanda, o SENAI deve duplicar, até 2014, o número de matrículas, para quatro milhões por ano. Lucchesi citou o estudo Mapa do Trabalhado Industrial, feito pelo SENAI no ano passado, que mostrou que, até 2015, o Brasil precisará capacitar 7,2 milhões de trabalhadores da indústria, dos quais 1,1 milhão de novos trabalhadores.

O coordenador do Centro de Políticas Públicas do Instituto de Ensino e Pesquisa (INSPER), Naercio Menezes Filho, que participou do debate promovido pela Exame, salientou ainda a necessidade de incrementar a gestão dos recursos públicos destinados à educação. “Temos propostas de aumentar os recursos federais para a educação, mas isso não vai se refletir na melhoria da qualidade se não tivermos uma gestão melhor”, definiu.

O presidente da IBM Brasil, Rodrigo Kede Lima, acrescentou que o trabalhador brasileiro tem capacidade para ser competitivo em nível global, só precisa de orientação e educação de qualidade. “Uma comparação da produtividade do trabalhador da IBM do Brasil com seus pares do Japão, dos EUA, da Europa, mostra que estamos bem, em alguns casos até melhores do que lá fora, graças muito ao treinamento contínuo dos funcionários, em gestão, línguas, capacidades técnicas”, afirmou. Segundo ele, há mais brasileiros atuando em unidades da IBM em outros países do que estrangeiros na filial brasileira.

<>

Brazil needs to redesign education matrix to stimulate competitiveness of industry . Idea was put forward during the debate on productivity in the labor market and the importance of education in the forum sponsored by Exame magazine . Rafael Lucchesi ” The Pronatec is an engine of change of the current frame ” – Rafael Lucchesi The decisive step for education in Brazil flip a switch increased worker productivity factor is the change in the educational matrix of the country .

The statement was made on Monday ( 30 ) the director of Education Technology and the National Confederation of Industry ( CNI ) , Rafael Lucchesi , during the debate, ” Productivity in the labor market – the importance of education ,” Exam Forum 2013 conducted by Exame magazine , Editora Abril in São Paulo . ” You must be aware that the Brazilian industry was modernized and this has repercussions on the education model . Electrician today not just operates Wired , he has to monitor processes must operate complex systems , computerized machines .

So our big agenda is to redesign the array of education in Brazil , “he said . Lucchesi added that the National Program for Access to Technical Education and Employment ( Pronatec ) the federal government , whose main partner is the National Industrial Apprenticeship Service ( SENAI ) , is an ” engine of change of the current frame .” According to the SENAI , the educational structure of the factory floor in Brazil today is made up of 53 % of workers who have courses of 200 hours , 23 % courses that have 300 hours to 450 hours and 18 % of workers who have taken courses 800 hours to 2000 hours .

Only 5 % of workers who form the factory floor are engineers . ” So it is clear that yes, we need more engineers , but we also need , and lots of technical professionals highly qualified ,” said Lucchesi . Because of this demand , SENAI should double by 2014 , enrollment for four million per year. Lucchesi quoted Map Industrial Worked study, by SENAI last year , which showed that by 2015 , Brazil will need to train 7.2 million industrial workers , including 1.1 million new workers .

The coordinator of the Center for Public Policy Institute of Education and Research ( INSPER ) , Naercio Menezes Filho , who participated in the debate promoted by Exam , also stressed the need to strengthen the management of public resources for education . ” We have proposed to increase federal funding for education , but it will not be reflected in improved quality if we have better management ,” defined . The president of IBM Brazil , Rodrigo Lima Kede added that the Brazilian worker has the ability to be competitive globally , just need guidance and education quality . ” A comparison of worker productivity from IBM in Brazil with their peers in Japan , U.S. , Europe , shows that we are right, in some cases even better than out there , much thanks to the continuous training of employees , management , languages , technical capabilities , “he said . He said there are more Brazilians working in IBM units in other countries than foreigners in Brazilian subsidiary.

ALDO DELLA ROSA | inova@aldodellarosa.com | www.aldodellarosa.com

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.